domingo, 30 de abril de 2017

Islândia a Terra de Fogo e de Gelo (I)

São pouco mais de 100 mil quilómetros quadrados de vulcões, muitos ainda ativos, glaciares, lagos gelados, campos de lava, planaltos de areia, planícies de erva rasteira e arbustos, geysers, praias de areia preta, spas geotermais ao ar livre, icebergs, montanhas e auroras boreais. 




Cerca de 330 mil habitantes, dois terços só na capital, Reikyavik, habitam um território maior que Portugal Continental. O resto é paisagem…Sim! Mas é a Islândia!







O “segredo mais bem guardado do mundo”, como o país era conhecido desvenda-se a cada curva da estrada e atualmente são, já, muitos os que procuram descobrir o que a Islândia tem de especial.




Estamos numa ilha ainda jovem, geologicamente falando, que continua a crescer. O manto terrestre nesta zona do planeta é mais fino permitindo que o magma, ocasionalmente, suba à superfície e este ao solidificar, vai criando nova terra. Vulcões ativos mantêm este ciclo






Aliás, não fosse a erupção de um vulcão que tem um nome quase impronunciável Eyjafjalljökull, ou seja eia-fiátla-iocutl, ter paralisado a Europa durante dias e ter posto a Islândia nas bocas do mundo, a ilha seria ainda um tesouro meio secreto.



Qual a melhor altura do ano para se visitar a Islândia? Esta é a pergunta mais recorrente.
No verão (maio a julho) porque as estradas já estão transitáveis, são menos perigosas e pode percorrer-se a estrada Hrinvegur – Ring Road – que tem perto de 1400 Km de comprimentos e que dá a volta completa à ilha, sempre muito próxima da costa e ligando as principais cidades. As paisagens estão verdes, as temperaturas mais amenas, o céu mais azul e os dias são maiores. Podem fazer-se passeios de barco para ver as baleias e fotografar os Puffins, os adoráveis papagaios do mar.

No inverno não se consegue percorrer a totalidade da Hringvegur, o tempo é incerto, está mais frio (embora as temperaturas nunca desçam muito para além dos -5º) mas é nesta altura que a Islândia mostra a sua verdadeira alma como terra de fogo e de gelo.




No pico do inverno (novembro a janeiro) a Islândia é inóspita, mais própria para aventureiros mas, conforme o inverno se vai suavizando a luz do sol vai conquistando a terra e a partir de finais de fevereiro consegue-se ter o melhor dos mundos e ainda em altura de se poder conseguir ver as auroras boreais. E assim, apostámos ir na primeira semana de março, prenúncio de primavera. Claro que o tempo seria sempre uma incógnita mas os ventos da Islândia sopraram a nosso favor. Tivemos chuva e frio mas um sol espetacular acompanhou-nos em grande parte da viagem proporcionando imagens simplesmente incríveis das paisagens islandesas. 





E ainda tivemos o privilégio de admirar as auroras boreais dois dias seguidos!




Nesta altura do ano já se consegue ter perto de 10 horas de sol e quando este se põe a sua luz ainda brilha durante bastante tempo espalhando um dourado difuso na terra e no céu. Dizem as lendas que é quando os seres invisíveis que habitam as profundezas dos vulcões, os gnomos e os elfos espalham a sua magia pela terra.
E talvez seja verdade....




 A nossa viagem à Islândia foi sobretudo uma viagem de imagens. E muitas há, ainda, para mostrar...


Islândia a Terra de Fogo e de Gelo (Parte 2)


Islândia a Terra de Fogo e de Gelo (Parte 3)

6 comentários:

  1. Que beleza! E a época parece ter sido bem escolhida! Poucos turistas? Até fico arrepiada quando olho para as fotografias da aurora boreal. Deve ser uma experiência de beleza , no seu estado puro, inesquecível.

    ResponderEliminar
  2. Sim é de facto uma experiência única. Assistir a uma aurora boreal ver o céu a iluminar-se e as luzes a dançarem é indescritível. Obrigada por me acompanhares nestas partilhas.

    ResponderEliminar
  3. Olá! As fotos são espetaculares! Parabéns!
    Estou a planear uma viagem è Islândia - road trip - com o meu marido, 10 dias, e, uma vez que esteve em Março, e eu quero tentar ir em Abril (numa tentativa de "caçar" auroras), gostava apenas de perguntar como foi o vosso alojamento. Ficaram em hostels, por exemplo? alguma recomendação? Obrigada e Boas Viagens!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Diana, obrigada! Em abril algumas das estradas a norte do parque Nacional Vatnajokull podem ainda estar fechadas. Tudo depende do tempo... Nós tivemos muita sorte com o tempo porque na semana anterior tinha havido um nevão como há muito não acontecia que quase parou o país. Quanto a alojamento nós dividimos a estadia em dois locais. Um nos arredores de Reykiavik (alojamento local) e o outro perto do glaciar Vatnajokull no Hotel de Hoff. Dali fizemos alguns Kms mas cumprimos as visitas programadas. Se precisar envie-me um e.mail terei todo o gosto em ajudar. Dois blogues que sigo que talvez ajudem a planear a viagem: http://damosavolta.com/category/islandia/ http://margaridanobre.blogspot.pt/2016/06/islandia-percursos-e-alojamentos.html

      Eliminar
  4. Que maravilha de viagem, amiga!! Quem sabe um dia também lá irei!...Beijosss!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre possível Berta. Talvez te acompanhe, eu também gostava de voltar. Fica sempre muita coisa por explorar.

      Eliminar