domingo, 3 de julho de 2016

Toledo a cidade dos três credos

A minha primeira imagem de Toledo foi há muitos atrás quando, numa viagem de carro, passei ao largo da cidade. Era madrugada e os primeiros raios de sol a incidirem nas muralhas e nas casas fizeram com que a cidade parecesse nascer naquele momento rodeada de uma aura dourada. 

Voltei a Toledo há pouco tempo e, confesso, com expectativas muito elevadas.

À chegada optámos pelo menor esforço e subimos pelas escadas rolantes que nos levam, rapidamente do parque de estacionamento para o centro da cidade, ou seja, diretamente, para o turismo de massa que invadiu Toledo. 



Por isso, se é daqueles para quem a primeira impressão é que vale sugiro que dê outra volta e entre na cidade por uma das portas históricas da muralha…….o choque não será tão grande.

Porta do Sol. Construída no século XIII pelos cavaleiros da Ordem de Malta é uma das entradas na cidade velha. No arco um medalhão em relevo tem a imagem do Santo Idelfonso, patrono de Toledo.  




Um pouco antes das "escadas rolantes" o que resta do velho convento dominicano de San Pablo Granadal construído no século XIII.



O que Toledo esconde? Ou não… porque tudo está ainda muito visível e é uma verdadeira descoberta percorrer as ruas e ver que os povos que por aqui passaram, celtiberos, visigodos, romanos, judeus, árabes, cristãos, todos eles deixaram marcas indeléveis nesta cidade em cujas pedras “a história ficou gravada a fogo”. 

Uma muralha rodeia todo o centro histórico de Toledo. As várias portas da cidade estão muito bem preservadas e se tiver tempo e paciência valerá a pena entrar em Toledo por cada uma delas.



Em Toledo encontram-se vestígios de um povoado da idade do bronze, ruínas de um império romano em ascensão e testemunhos da importância civil e religiosa que a então capital da Hispânia visigótica adquiriu desde 500 d.c. até ao século VIII, altura da conquista moura da península ibérica.