quinta-feira, 17 de março de 2016

Segredos de Lisboa

A arquitetura das cidades altera-se de acordo com os seus ocupantes e Lisboa, antes de ser Lisboa, foi muitas outras cidades. Foram vários os povos que por aqui passaram, nomeadamente, fenícios, romanos, muçulmanos, cristãos e a cidade, ao longo dos séculos, foi-se sobrepondo em camadas como “Um verdadeiro mil folhas de vestígios arqueológicos”.
Antigas construções davam lugar a outras, o que foi em tempos um antigo teatro romano é agora um conjunto de muros que sustentam edifícios pombalinos. No local de uma antiga mesquita surgiu uma igreja cristã e indo ainda mais para trás no tempo, escavando mais fundo, é possível ainda encontrar vestígios de uma lixeira que remonta ao tempo dos fenícios.
A partir das ruínas encontradas no subsolo lisboeta, a Inês Ribeiro e a Raquel Policarpo vão criando pequenas histórias, onde se imagina como seria a vida naqueles vários tempos desvendando e dando sentido aos muitos vestígios arqueológicos que se encontram por toda a cidade de Lisboa.
Gostei de ler este livro e vou levá-lo comigo num próximo passeio por Lisboa.



domingo, 13 de março de 2016

Madrid

Sobre Madrid lê-se na Wikipédia… Capital de Espanha, quase 7 milhões de habitantes (área metropolitana), terceira maior cidade da União Europeia, maior centro financeiro da península Ibérica e que em 2010 foi considerada uma das cidades mais verdes da Europa.

Sobre Madrid aprende-se nas suas ruas. 

Madrid é mais que um pouco de tudo. É mais que os seus museus, que as suas lojas, mais que a sua fabulosa arquitetura, que os seus restaurantes, que as suas praças. Sim, porque Madrid é tudo isso e muito mais. Experimentem deambular pelas suas ruas e sintam uma cidade cheia de vida, de movimento, olhem em redor, observem as pessoas, admirem os edifícios e entrem no espírito da “movida madrilena”.

E como as memórias são feitas de instantes aqui ficam alguns do passeio que demos por Madrid.

“Km 0", em Lisboa o KM 0 situa-se na Praça Marquês de Pombal e em Madrid na Puerta del Sol – Portas do Sol.  No chão, num dos passeios da praça, o marco a partir do qual se calculam as distâncias em Espanha. 


No mesmo local onde, em 1931, se proclamou a segunda República, Puertas del Sol, os madrilenos juntam-se, todos os 31 de dezembro, para comemorar a passagem para um novo ano. Cabe ao relógio da Casa dos Correios marcar as doze badaladas . 



Nesta praça encontramos o símbolo da cidade de Madrid. A estátua de “El Oso y el Madroño” – O urso e o medronheiro. Que afinal acaba uma ursa representando a terra mãe e a fertilidade e o medronheiro que no princípio era uma carvalho que simbolizava a força. Curiosidades!


A pouca distância das Portas do Sol.

Plaza Mayor – Praça Maior um dos ex-libris da cidade, tanto pelo conjunto arquitetónico que a rodeia, como pelo ambiente, bem diferente, no entanto, daquele que se vivia quando aqui se realizavam touradas ou os autos-de-fé. Fica bem no centro da cidade. 




Vale a pena explorar o que está para lá das nove entradas da praça.

quarta-feira, 2 de março de 2016

Real Madrid - o Museu

Quando se trata de futebol…a coisa mais importante sobre o futebol…é que não é apenas futebol. by Sir Terence David John “Terry” Pratchett, escritor inglês.


Factos:

  • O 4º museu mais visitado em Madrid depois do Reina Sofia, do Prado e do Thyssen.
  • O mais rentável museu de Madrid a nível de bilheteira, à frente do Prado e do Reina Sofia.
  • Mais de 1 milhão de visitantes entre 2014 e 2015.
  • Cerca de metade dos visitantes são crianças (menos de 14 anos).
  • Divulgação massiva em todas as lojas de turismo da cidade e do aeroporto de Barajas.
  • Preço do bilhete (2016): adulto– 19€ / criança – 13€

O percurso está assinalado e permite aos visitantes uma certa flexibilidade nos locais a visitar e no tempo de permanência em cada um deles o que não deixa de ser interessante sob o ponto de vista comportamental. A postura de uma quase adoração que alguns assumem perante uma taça, uma foto, umas chuteiras é mais uma prova viva que o futebol já foi muito além do desporto.



O que se vê?

Primeiro sobe-se e, muito. Graças às escadas rolantes ainda se tem folego para uma exclamação de admiração perante a vista panorâmica do estádio. São 80.000 lugares e não é difícil imaginar a multidão e o barulho ensurdecedor. 


A história do Real Madrid contada pelos seus troféus, pelos equipamentos dos jogadores, pelas belíssimas fotografias, pelos filmes em écran gigante onde jogadores, treinadores e adeptos dizem o que sentem pelo clube.





O jogo inaugural foi entre a equipa da casa e o nosso "Belenenses".


Presença portuguesa...SLB e SCP, só falta o FCP. Não vi mas se alguém tiver uma foto...





As crianças deliram com o facto de poderem tirar fotografias ao lado de um jogador “virtual”, de poderem ouvir o barulho da multidão a gritar “golo”, e de poderem ver a sua cara num painel gigante com o símbolo do Real Madrid formado com fotos.


Deliram ainda mais com o Cristiano Ronaldo, mas aí não são só as crianças…



A sala “Reis da Europa” brilha com as 10 taças ganhas pelo Real Madrid nos campeonatos europeus. E sim… é impressionante!


Nos balneários do clube os cacifos dos jogadores fechados a sete chaves.


Maquete do futuro estádio do Real Madrid. O Bernabéu do século XXI que se pretende que seja um símbolo mundial e um ícone de uma arquitetura de vanguarda (palavras de Florentino Pérez, dirigente do clube).


Nesta altura já um sentimento de pertença ao clube, ainda que temporário, se instalou. E eles sabem-no bem…guardaram a loja para o fim! O grande final…toda a gente quer levar recordações (das verdadeiras, não das compradas nos chineses) e é um rodopio à volta das camisolas, sweatshirts, bolas, porta-chaves…aqui tudo se vende para se ser um verdadeiro adepto de um dos melhores clubes do  mundo.